Nossa História

Fundada em 2007, a Casa do Pequeno Cidadão Nossa Senhora Aparecida é uma organização social sem fins lucrativos, de duração indeterminada e com finalidade educacional e formadora.

O projeto da Casa do Pequeno Cidadão surgiu e tem inspiração no movimento pastoral da comunidade da Paróquia Nossa Senhora de Fátima da Vila Leopoldina – SP, idealizado pelo Monsenhor Tarcísio e D. Constança, para dar atendimento a familiares e filhos recém-nascidos de presidiários do CDP II (Centro de Detenção Provisória) “Willians Nogueira Benjamin” de Pinheiros.

Ao longo da implementação o projeto foi adequado até encontrar a formatação compatível às demandas e regulamentações legais que indicaram ser o projeto mais vocacionado e necessário para o atendimento de menores em situação de vulnerabilidade inserindo-se no sistema de acolhimento ao menor em conformidade com o ECA.

A Casa do Pequeno Cidadão Nossa Senhora Aparecida é uma organização social sem fins lucrativos. Tendo em vista a quantidade reduzida de Serviços de Acolhimento para atender a demanda existente na região, surgiu esta Entidade, a partir da conscientização da comunidade Nossa Senhora de Fátima, que através de campanhas e eventos beneficentes implantou o Serviço de Acolhimento Institucional para Crianças e Adolescentes de 0(zero) a 17(dezessete) anos e 11(onze) meses, dando apoio e suporte às suas famílias de origem e/ou substituta.

A Casa foi fundada em 05/12/2007, objetivando dar proteção às crianças em regime excepcional, provisório ou transitório obedecendo ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Tem aprovação do CMDCA Nº 1343/2007, COMAS Nº 137, Declaração de Utilidade Pública e registro na SEDS. Quando deu início às suas atividades de fato, acolheu um grupo de três irmãos, atualmente a Casa já atendeu mais de 148 (cento e quarenta e oito) crianças.

Todos os acolhidos são encaminhados pelas Varas da Infância e da Juventude e em caráter emergencial pelos Conselhos Tutelares, conforme o Estatuto da Criança e do Adolescente.

Essas crianças residem na instituição, mas saem diariamente para diversas atividades tais como: escolas, consultas médicas, passeios, atividades esportivas, Kumon, terapias, entre outras.

Ao longo de sua história a Casa do Pequeno Cidadão conta com a formação e supervisão de toda sua equipe para trabalhar temas: Acolhimento Institucional e o Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária; a Reinserção em Família de origem e/ou substituta; a construção das Regras e Rotinas dentro da Casa; a Comunicação; entre tantos outros temas. Com estes encontros de formação percebe-se a melhoria do atendimento destinado às crianças e aos adolescentes acolhidos no serviço e também às suas famílias, o que promove a capacitação técnica e auxilia para o processo de profissionalização da equipe em geral, de acordo com as diretrizes da Doutrina de Proteção Integral e normativas ético-legais em vigência no país.

Após uma década acompanhando estas crianças e adolescentes, percebemos a necessidade de espaços que recebam os jovens egressos destes serviços, que ainda não possuem moradia e cujo vínculos familiares foram perdidos, ou ainda estão fragilizados. Da nossa preocupação com a autonomia destes cidadãos, assim como, o nosso desejo em continuar ofertando condições para o bom desenvolvimento destes indivíduos, surge a decisão de implantar uma república para jovens de 18 a 21 anos, para acolher até 06 jovens do sexo masculino.

A República Jovem Cidadão foi inaugurada em 05 (cinco) de dezembro de 2018 e funciona na Rua Aliança Liberal, 78, Vila Leopoldina, São Paulo – SP. É um serviço assistencial de Alta Complexidade, que pertence a Rede de Proteção Especial e fundamenta-se na tipificação da rede socioassistencial do município de São Paulo.