A Casa 2019-03-08T16:01:24+00:00

Nossa História

Casa do Pequeno Cidadão Nossa Senhora Aparecida

A Pastoral Carcerária da Paróquia de Nossa Senhora de Fátima – Vila Leopoldina, liderada pelo Monsenhor Tarcísio, em suas visitas aos presídios constatou que os filhos das presidiárias (bebês) que não tinham famílias ou que as famílias não os acolhiam, eram levados para instituições e não retomavam o contato com suas respectivas mães.

Uma senhora participante da comunidade chamada D.Constança, após receber uma graça alcançada por intermédio de Nossa Senhora Aparecida, teve a ideia de construir um lar para crianças. Por este motivo, pensando em ajudar àquelas mulheres, ela conversou com o Monsenhor Tarcísio e, em 1º de maio de 2000, em um sítio no município de Atibaia, o ele e os Ministros da Eucaristia e Acólitos decidiram discutir sobre a idéia da D.Constança de se construir uma Casa de acolhimento para crianças, para ser apresentada posteriormente na Comunidade.

Desde então, começaram um grande trabalho em equipe para arrecadar fundos e doações para iniciar a grande obra. A Casa do Pequeno Cidadão foi inaugurada em dezembro de 2006. Atualmente somos um SAICA – Serviço de Acolhimento Institucional para Crianças e Adolescentes, cujo principal objetivo é acolher crianças e adolescentes (de 0 zero à 17 dezessete anos e 11 onze meses de idade) em situação de vulnerabilidade social em que seus direitos básicos foram violados, muitas vezes vítimas de maus tratos ou negligência e abandono, capacitando-as a serem reintegradas à suas famílias de origem ou em famílias substitutas por meio da adoção. Tudo é constantemente acompanhado e autorizado de acordo com as determinações judiciais do Fórum da Lapa.

  • Todas as crianças são encaminhadas pela Vara da Infância e da Juventude – Fórum Lapa.
  • Essas crianças residem na instituição, mas saem diariamente para diversas atividades tais como: escolas, consultas médicas, passeios, atividades esportivas, Kumon, terapias, entre outras.
  • Atendem-se não somente as crianças , mas também suas respectivas famílias, pois, a prioridade é sempre para que as mesmas possam retornar para a própria família. Por isso  uma Equipe Técnica na Casa, formada por  Assistente Social e Psicóloga, se tornam responsáveis em acompanhar sistematicamente os familiares e fazer as devidas orientações e encaminhamentos para a Rede Pública de Atendimento buscando garantir: saúde, educação, moradia, entre outras necessidades.
  • A Casa conta também  com o trabalho voluntário de alguns colaboradores da comunidade que  prestam serviços semanalmente, bem com a  parceria com o Instituto Fazendo História- Fazendo Minha História (construção dos álbuns com a história de vida de cada um) entre outros.

Para garantir sempre melhor qualidade em nossos atendimentos, toda a equipe de funcionários da Casa (coordenação, técnicos, educadores, agentes operacionais e motorista) participam de capacitações mensais para formação continuada dos profissionais. (Programa de Formação – Instituto Fazendo História).

Não se estabelece convênio com a Prefeitura de São Paulo e Estado,  recebemos doações e organizamos bazares e bingos beneficentes durante o ano como forma de captar recursos para a Casa.

Também fazemos captação através das NFP (Notas Fiscais Paulistas) em que várias empresas doam as notas sem o CPF do comprador e voluntários nos ajudam a cadastrar estas notas para que revertam em benefício financeiro. Assim como parcerias com outros projetos como: FUMCAD, projeto Salvador Arena, parceria com o SESI em jogos da Superliga de Vôlei em que podemos ajudar várias outras instituições.